Red Canids e Keyd Stars levam para casa o título, com partidas suadas e emocionantes

O Brasil é a melhor região da América Latina quando se trata de League of Legends. O título no Rift Rivals, a “Libertadores” do LoL, conquistado pela Red Canids (campeã CBLoL ) e a Keyd Stars (vice) é a prova definitiva disso. Mas as equipes adversárias, Isurus Gaming e Furious Gaming, colocaram muita pressão e jogadas muito perigosas para os brasileiros. A vitória veio, porém, com muito suor e momentos de tensão em todos os jogos, mas ambos os times lidaram com a situação e venceram.

As partidas

A primeira partida foi entre Keyd Stars e Furious Gaming. A Furious Gaming exerceu muita pressão no Early Game, levando todas as torres da tier 1, mas a Keyd segurou bem as investidas, punindo com pick-offs os momentos que a Furious se extendeu, e criou um bom ritmo de jogo aos 20 minutos, eliminando consecutivamente os jogadores da Furious. A Keyd deu GG aos 30 minutos, com placar de 15 a 5.

Por outro lado, a Red Canids não teve um bom começo na grande final e foi derrotada em sua primeira partida, contra a Isurus Gaming. Mantiveram competitivos no Early, mas Pride, o top laner da Isurus cresceu bastante no jogo, aproveitando-se dos vacilos de Robo e aos 30 minutos, estava imparável e ganhava em todas as trocas com robo. No fim a Isurus apenas empurrou a Red para base e destruiu o Nexus. O placar ficou 14 x 9 para a Isurus com 35 minutos de jogo.

Os lobos porém voltaram com muita força para a terceira partida, contra a Furious. Robo começou muito bem, abrindo três torres a zero e quatro abates a um. Mas seu split de meio de jogo foi confuso e a Red também não soube aproveitá-lo. A Furious então começou uma reação, mas como a Red estáva com a mecânica em dia, manteve a superioridade nas lutas e conquistou a partida, com uma vitória suada. O jogo terminou aos 41 minutos com placar 11 a 8 para a Red.

No quarto jogo, Keyd X Isurus, os Stars tiveram a chance de fechar o campeonato, mas cometeu graves deslizes. Revolta com seu Lee sin colocou muita pressão na Elise de QQmore, com 40 a 9 de farm e mais pressão nas lanes. Takeshi(mid) e Yang(top) tiveram boas lane phases também, mas Juzinho não fez um bom jogo, sendo dominado por Kindless, o adc adversário. Pride, com Jax, fez um bom split push e a Isurus esperou até superar a grande desvantagem para responder às iniciações brasileiras, com lutas fortíssimas. Os chilenos, após uma luta ruim da Keyd, asseguraram o Barão e o Nexus brasileiro, com placar de 21 a 7 aos 34 minutos. A decisão ficaria então para o último jogo. Até porque não é Brasil se não tiver emoção.

A última partida foi entre Isurus e Red Canids. O early game da Red foi catastrófico, sem mais nem menos. A matilha não respondeu ao Arauto do vale da Isurus na top lane, e os chilenos levaram as três torres e deixaram o inibidor do top da Red Canids exposto aos 15 minutos de partida.

Após uma tentativa de Barão da Red que resultou num Ace da Isurus, tudo parecia perdido. Porém a Red se concentrou no mid e bot, sabendo que, para reagir, a Syndra de Tockers e a Kalista de brTT precisariam de recursos. Aos poucos, em meio a erros e afobações, a Red foi se reestabelecendo. A Isurus também não soube concatenar a vantagem absurda conquistada no early game, e a Red brilhou nas lutas, anulando os chilenos. Com Barão e Dragão ancião conquistados depois de uma excelente luta, a Red Canids venceu o jogo. Uma virada emocionante que trouxe para o Brasil o maior e mais importante título internacional até então. O placar final foi de 17 X 12 para a Red com 41 minutos de jogo.

 

Que final, hein?